Make your own free website on Tripod.com

APENDICITE

 

Profilaxia  pre-operatoria:

Cefoxitina (MEFOXIN) 2g EV repetir a cada 4h de cirurgia,depois 1g 6/6h, pode manter por ate 24h

Diagnóstico precoce:

Apendicectomia + Cefoxitina (MEFOXIN) 1g EV 6/6h

Diagnóstico tardio ou complicado:

Apendicectomia + Drenagem da cavidade + Cefoxitina (MEFOXIN) 1g EV 6/6h depois troca-se por:

Gentamicina (240mg dose unica) ou

Ceftriaxone (1g EV 12/12h) +

Metronidazol (500mg 6/6h) ou

Cloranfenicol (1g EV 6/6h) ou

Clindamicina (600mg EV 6/6h)

 

Apendicite clássica:

início com dor abdominal difusa em cólica, mais localizada em mesogástrio (periumbilical), geralmente com vômitos e anorexia, que posteriormente tende a a localizar-se em fossa ilíaca direita. Pode ser acompanhada de alteração do hábito intestinal. Esta manifestação ocorre em pouco mais de 50% dos pacientes.

Apendicite pélvica:

a dor tende a localizar-se em hipogástrio, sendo, em alguns casos, acompanhada de tenesmo e sintomatologia urinária baixa (disúria e polaciúria), o que pode levar a um falso diagnóstico de patologia urinária baixa, com conseqüente tratamento inadequado e retardo na resolução da apendicite. O toque retal se impõe nestes casos.

Apendicite retrocecal:

a dor tende a localizar-se em flanco direito e na região posterior do abdome, sendo, não raro, confundida com pielonefrite aguda, uma vez que a punho percussão positiva, leucocitúria e hematúria são freqüentes nestes casos. A dor à flexão ativa da coxa direita é característica.

Apendicite sub-hepática:

mais rara, podendo ser confundida, devido à sua localização, com colecistite aguda. Sua evolução nos casos não diagnosticados pode levar a um abscesso sub-hepático ou sub-frênico.

Apendicite hiperplásica:

dor em fossa ilíaca direita, geralmente há mais de 5 dias, com bom estado geral e febre baixa, associada a massa palpável fixa pouco dolorosa e sem descompressão brusca. É a única forma de apendicite para a qual não se indica apendicectomia tão logo termine o preparo pré-operatório, sendo a conduta mais correta o início de antibióticos e indicação cirúrgica dois meses após o episódio agudo.